Acesso aos clientes

 
(11) 5506-8500
 

cupimCupins de Madeira Seca


Os cupins de madeira seca normalmente encontrados em Brasil são do gênero Cryptotermes sp. (Isoptera - Kalotermitidae).

Estes insetos conseguem se estabelecer diretamente no interior da madeira, não exigindo o contato com o solo ou umidade, como os cupins subterrâneos. Alimentam-se da madeira e constroem galerias no seu interior, de tal forma que as peças severamente atacadas têm suas características mecânicas comprometidas devido aos vazios que se originam no seu interior. São insetos sociais e suas colônias não são tão numerosas como as dos cupins subterrâneos.

Periodicamente, os indivíduos reprodutores alados revoam e procuram atacar novas peças de madeira, ampliando, assim, a infestação.

Cupins de Solo 


Os cupins de solo ou subterrâneos mais comuns em São Paulo são do gênero Coptotermes sp (Isoptera - Rhinotermitidae). São insetos sociais que nidificam no solo e atacam madeiras enterradas ou que mantenham contato direto com o mesmo. Nas edificações podem construir túneis ou galerias em componentes como: pisos, paredes, colunas, aberturas para condutores hidráulicos, elétricos, de telefone, de ar, etc. E alcançar madeiras situadas em pontos isolados do ninho. Além de deteriorar a madeira em uso são encontrados, frequentemente, atacando árvores.

No interior do ninho e dos túneis, os insetos conseguem manter o adequado suprimento de umidade necessário para a sobrevivência da colônia, graças ao contato com o solo ou outra fonte de umidade. Eventualmente, colônias podem estar estabelecidas em locais distantes ou isoladas do solo, desde que contenham outra fonte de umidade.

As colônias são organizadas em castas, cujos indivíduos representam diferentes funções.

Periodicamente, os reprodutores alados revoam, ocorrendo posteriormente o pareamento dos casais, que procuram fundar novas colônias.

As revoadas costumam ocorrer nos meses de primavera e verão, ocasião em que os alados são liberados em grande número. As formas aladas são conhecidas na linguagem popular como "siriris" ou "aleluias".